segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Como criar Minhocas

Aprenda aqui como criar minhocas: Em apenas 100 metros lineares de canteiro você obtém 12 toneladas de húmus na cada 60 dias, que comercializados a granel, atingem o preço médio de US$ 100 por tonelada.Você poderá obter lucro com húmus, bem como na venda de matrizes de minhocas a novos criadores. Aqui você vê, com todos os detalhes de como fazer a instalaçao, o manejo, o processamento e a comercializaçao do Húmus e da minhoca Vermelha da Califórnia.

Conteúdo: A Minhoca e o Solo A Minhoca e a Reproduçao A Criaçao de Minhocas A Produçao de Húmus Comercializaçao Custos (Instalaçao e Produçao)

Consultoria: Christa Knapper, Bióloga, pesquisadora da Universidade do Rio dos Sinos-RS.

SAIBA MAIS SOBRE PEQUENAS CRIAÇÕES

O cultivo e beneficiamento de plantas medicinais e aromáticas

O cultivo e beneficiamento de plantas medicinais e aromáticas que representam uma ótima opção em sua propriedade rural. Através de um mercado comprador forte e cada vez mais exigente, o cultivo dessas plantas pode ser muito lucrativo. Farmácias, Indústrias de Chás, Cosméticos e Perfumaria, Manipuladores, Indústria de Alimentos e Bebidas. Para isso, basta conhecer os detalhes do cultivo de ervas medicinais e aromática.

Veja nesse vídeo, o cultivo e beneficiamento de plantas medicinais e aromáticas que representam uma ótima opção em sua propriedade rural. Através de um mercado comprador forte e cada vez mais exigente, o cultivo dessas plantas pode ser muito lucrativo. Farmácias, Indústrias de Chás, Cosméticos e Perfumaria, Manipuladores, Indústria de Alimentos e Bebidas. Para isso, basta conhecer os detalhes do cultivo das ervas medicinais e aromáticas que são mostrados neste vídeo.

Conteúdo:

-As finalidades do cultivo de ervas
-Os fatores climáticos
-Altitude
-Temperatura
-Umidade
-Manejo dos cultivos
-O viveiro
-A multiplicação das plantas e o manejo
-Adubação
-O preparo do solo
-Irrigação
-Controle de pragas e doenças
-Escolha da área de cultivo
-Rotação de culturas
-Controle das ervas daninhas.

SAIBA MAIS SOBRE AGRICULTURA AQUI

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Como Melhorar o Desempenho do Cavalo em até 20%

O cavalo que precisa ser exercitado diariamente. O exercício básico de flexionamento do cavalo, é um dos itens mais importantes da equitação. O cavalo flexionado fica suscetível às ajudas, isto é, fica disponível ao cavaleiro para executar todos os comandos, como também fica "limpo", sem reações indesejáveis aos movimentos.
O cavalo flexionado está praticamente "pronto", está "domado", está preparado para o esporte e lazer.
O cavalo que passa pelos exercícios básicos da ginástica de flexões laterais e frontais chega a ter um rendimento de até 20% a mais no seu desempenho!

Este vídeo é direcionado para cavaleiros de todas as modalidades equestres que desejam aperfeiçoar sua equitação. É também ideal para o cavaleiro amador que busca proporcionar a seu cavalo o melhor trabalho, mesmo que apenas para fins de lazer. O cavalo bem flexionado trará uma significativa melhoria no trabalho do dia-o-dia, culminando em excelentes performances em pista.

Para a produção deste video, fomos até o Haras Mineral, localizado na cidade de Itapira, um cidade do circuito das águas do estado de São Paulo.

Conteúdo:

1 -Baixada de pescoço
2- Cedência à perna
3- Cedência à perna no círculo
4 -Cara ao muro
5 -Espádua a dentro
6 -Apoiar
7 -Recuo
8 -Simulação de Exercícios

Consultoria:
Ito Ricciluca
Treinador

O Haras Mineral foi fundado em setembro de 1972, completando hoje 41 anos de trabalhos dentro da Eqüideo Cultura Brasileira.

Nesta trajetória, iniciamos a criação do Cavalo Lusitano, Cavalo Brasileiro de Hipismo, Cavalo Andaluz Brasileiro e Cavalo Crioulo.

O Cavalo Lusitano é a nossa base inicial, começamos importando de Portugal, linhas muito boas visando a funcionalidade, onde acreditamos terem estrutura e morfologia suficientes para partirmos em busca do melhor cavalo.

São 41 anos de seleção morfológica e funcional, visando sempre excelentes movimentos com bom tempo de suspensão em cavalos de muito boa estrutura, sem perder suas características raciais e principalmente seu temperamento de cavalo ibérico o qual nos dá a melhor montabilidade.

Montabilidade significa: a facilidade de se montar o cavalo, a disponibilidade do mesmo em nos atender, sempre atento, alegre e participativo.

Dizem que o Cavalo Lusitano procura adivinhar as ajudas dos cavaleiros.

Cavalo Brasileiro de Hipismo vem depois, na nossa busca de um cavalo com mais força e mais estrutura que atenda a demanda de mercado nesta direção, direção do Salto e Adestramento. O Cavalo de Hipismo cruzamento das melhores raças Alemãs e Holandesas e Francesas: como Oldenburgo, Holstainer, Hannover, Sela Holandês, Sela Francês, Anglo Árabe e outras.

Cavalo Andaluz Brasileiro ou "Sela Brasileiro” vem em terceiro momento, pois ele é exatamente o cruzamento, a união do que há de melhor nas duas raças iniciais,entre o Cavalo Lusitano e o Cavalo de Hipismo.


Local de Filmagem: Haras Mineral

Ano de produção: 2016

duração aproximada : 50 minutos


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

As Hortaliças

As Hortaliças são geralmente conhecidas como verduras e legumes, as hortaliças são alimentos ricos em vitaminas, minerais e fibras que devem ser consumidos diariamente. Também são ricas em compostos bioativos que protegem contra doenças crônico-degenerativas. Por possuírem baixo teor energético, o consumo desses alimentos auxilia na prevenção e controle da obesidade, e, indiretamente, ajuda a prevenir contra outras doenças degenerativas não transmissíveis cujo risco é agravado pela obesidade.
A diversidade de hortaliças na dieta é fundamental, visto que nenhum alimento específico é suficiente para fornecer todos os nutrientes necessários a uma boa nutrição e á manutenção da saúde. As hortaliças são alimentos muito versáteis e podem ser preparadas de diversas maneiras de modo a estarem presentes em todas as refeições.
Para obter o melhor de cada hortaliça é importante saber reconhecer um produto de boa qualidade, prepará-lo de forma adequada, de modo a preservar suas características sensoriais, como cor, sabor, textura e aroma, e seu valor nutricional, incluídos o teor e composição de nutrientes e de compostos bioativos. Igualmente importantes são o acondicionamento e o manuseio adequados, de modo a reduzir as perdas desses alimentos, evitando desperdícios e perdas financeiras.
o Brasil é um país privilegiado onde as condições de solo e clima permitem o cultivo de uma enorme diversidade de espécies, o que garante a disponibilidade de produtos frescos durante todo o ano. Este livro é um convite á descoberta de inúmeras possibilidades de alimentação saudável e saborosa. Descubra que hortaliça não é só salada, que couve não serve só para acompanhar feijoada, que quiabo é muito mais que baba, que bertalha não é um ser de outro planeta e muito mais.


quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Vaquejada sem Mistérios

Vaquejada Somente com Arreios de Boca

Esse método que foi desenvolvido para correr vaquejada usando apenas arreio de boca nos cavalos é um método que facilita a vida do vaqueiro, pois o animal oferece menos resistência em comparação quando se esta fazendo uso do arreio tradicional.
Mas é preciso que o vaqueiro se prepare para assimilar a nova técnica, dominando o uso das esporas corretamente e também fazendo uso das técnicas de rédeas.
Com o passar do tempo se percebera que se tem muito mais facilidade para correr somente com arreio de boca, do que quando se utiliza o arreio tradicional.

1 - Utilizando as esporas
2 - Desbloqueio
3 - Sensibilizar
4 - Flexionar a nuca
5 - Tipos de espora
6 - Arreios de boca
7 - Corrigindo na cancela
8 - Correndo boi com arreios de boca

Consultor:
Edeilton Ramos de Paula
Técnico Agrícola e Treinador de Cavalos

Duração aproximada: 68 minutos



Mês e Ano de produção: Dezembro de 2015

Local de Gravação:
Paque Acauã
Garanhuns - PE

Tecnologia de Gravação: Full HD

Fomos até a cidade de Garanhuns, localizada no agreste pernambucano. Cidade de clima ameno e povo hospitaleiro. E é nesta cidade onde está localizado o Parque Acauã, local provido de uma das melhores estruturas para a prática da Vaquejada no pais! Conta com uma pista muito boa, cocheiras onde os animais podem descansar e receberem os tratos. Parque conta também com belíssima estrutura para o publico que deseja assistir aos treinos e provas.
Neste local o treinador Edeilton realizou seu trabalho que culminou neste video curso. Os animais foram trazidos por ele. São animais que estão ainda no processo de correção, ou seja corriam no método tradicional, mas que apresentaram alguns problemas, e o treinador juntamente com sues proprietários decidiram que era hora de mudar as coisa! Foi então que iniciaram o processo de Correção usando somente arreios de boca.
Também Edeilton, nos mostrou os equipamentos que ele utiliza, como freios e bridões. São ferramentas, que ele fez algumas modificações, de acordo com o que ele foi percebendo ao longo dos treinos. Também apresentou as esporas para treinos e corridas. Sendo que ambas não causam traumas nos animais, já que não possuem pontas. Sendo esta um dos objetivos deste video, ou seja mostrar que é possível a pratica da vaquejada sem causar traumas aos animais, o que é uma das premissas das boas práticas na criação de cavalos e do bem estar animal.
Foram dias de muita dedicação e bons resultados, que podem ser vistos neste video curso.

SAIBA MAIS SOBRE VAQUEJADA AQUI!

Como Melhorar o Desempenho do Cavalo

O cavalo que precisa ser exercitado diariamente. O exercício básico de flexionamento do cavalo, é um dos itens mais importantes da equitação. O cavalo flexionado fica suscetível às ajudas, isto é, fica disponível ao cavaleiro para executar todos os comandos, como também fica "limpo", sem reações indesejáveis aos movimentos.
O cavalo flexionado está praticamente "pronto", está "domado", está preparado para o esporte e lazer.
O cavalo que passa pelos exercícios básicos da ginástica de flexões laterais e frontais chega a ter um rendimento de até 20% a mais no seu desempenho!

Este vídeo é direcionado para cavaleiros de todas as modalidades equestres que desejam aperfeiçoar sua equitação. É também ideal para o cavaleiro amador que busca proporcionar a seu cavalo o melhor trabalho, mesmo que apenas para fins de lazer. O cavalo bem flexionado trará uma significativa melhoria no trabalho do dia-o-dia, culminando em excelentes performances em pista.

Para a produção deste video, fomos até o Haras Mineral, localizado na cidade de Itapira, um cidade do circuito das águas do estdo de São Paulo.

Conteúdo:

1 -Baixada de pescoço
2- Cedência à perna
3- Cedência à perna no círculo
4 -Cara ao muro
5 -Espádua a dentro
6 -Apoiar
7 -Recuo
8 -Simulação de Exercícios

Consultoria:
Ito Ricciluca
Treinador

O Haras Mineral foi fundado em setembro de 1972, completando hoje 41 anos de trabalhos dentro da Eqüideo Cultura Brasileira.

Nesta trajetória, iniciamos a criação do Cavalo Lusitano, Cavalo Brasileiro de Hipismo, Cavalo Andaluz Brasileiro e Cavalo Crioulo.

O Cavalo Lusitano é a nossa base inicial, começamos importando de Portugal, linhas muito boas visando a funcionalidade, onde acreditamos terem estrutura e morfologia suficientes para partirmos em busca do melhor cavalo.

São 41 anos de seleção morfológica e funcional, visando sempre excelentes movimentos com bom tempo de suspensão em cavalos de muito boa estrutura, sem perder suas características raciais e principalmente seu temperamento de cavalo ibérico o qual nos dá a melhor montabilidade.

Montabilidade significa: a facilidade de se montar o cavalo, a disponibilidade do mesmo em nos atender, sempre atento, alegre e participativo.

Dizem que o Cavalo Lusitano procura adivinhar as ajudas dos cavaleiros.

Cavalo Brasileiro de Hipismo vem depois, na nossa busca de um cavalo com mais força e mais estrutura que atenda a demanda de mercado nesta direção, direção do Salto e Adestramento. O Cavalo de Hipismo cruzamento das melhores raças Alemãs e Holandesas e Francesas: como Oldenburgo, Holstainer, Hannover, Sela Holandês, Sela Francês, Anglo Árabe e outras.

Cavalo Andaluz Brasileiro ou "Sela Brasileiro” vem em terceiro momento, pois ele é exatamente o cruzamento, a união do que há de melhor nas duas raças iniciais,entre o Cavalo Lusitano e o Cavalo de Hipismo.


Local de Filmagem: Haras Mineral

Ano de produção: 2016

duração aproximada : 50 minutos

APRENDA MAIS SOBRE CAVALOS

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O Cavalo Crioulo

Agilidade e a resistência fi­zeram do Cavalo Crioulo um dos mais apropriados cavalos
para o manejo do gado bovino e da criação de ovinos em todo o país. Ativo, inteligente, corajoso e bondoso, o cavalo Crioulo vence com grande facilidade qualquer tipo de terreno e, com o passar de sua evolução, tem mostrado uma grande adaptação também às bruscas diferenciações climáticas. Sua criação é simples e barata, sendo que o criador beneficia-se principalmente de sua rusticidade e facilidade de reprodução. Em apenas seis anos é possível a co­mercialização de animais. Atual­mente a raça se espalha por todo o Brasil, com os principais focos no Rio Grande do Sul, São Paulo, Goiás, Norte de Minas Gerais, Pernambuco, Ceará, Acre e Sul do Paraná. Nos últimos anos. a criação tem conseguido bons re­sultados também na Amazônia.
O fato do Crioulo ter sido criado, evoluindo livremente na na­tureza, fez com que o mesmo ad­quirisse certas defesas orgânicas. sendo a raça menos propensa à anemias que se tem conheci­mento. Estas defesas se iniciam logo no seu couro, muito grosso para que moscas e mosquitos pos­sam penetrar.
No relacionamento com o ho­mem, o Crioulo é um cavalo de boa sela, manso, dócil obediente e cômodo. Seu andar é cadenciado e regular em trancas, trotes ou galo­pes. O crioulo não sabe marchar.
O animal deve ser criado em li­berdade. A criação em cocheiras o faz perder suas habilidades natu­rais, deixando-o tímido e até mesmo agressivo. Pode-se ter desde um só animal até uma cria­ção destinada à comercialização, numa proporção de 10 éguas para cada reprodutor.
INSTALAÇOES
Deixe para cada animal um es­paço mínimo de 1 ha. Não é reco­mendável deixar dois machos pró­ximos, mesmo que estejam em pastos vizinhos. Tome este cui­dado, mesmo sem a presença de éguas no cio na área.
Faça um piquete de exercícios para o cavalo, que pode ser um campo ou curral apropriado, com área mínima de 1500 m2• Dentro do piquete construa apenas uma casinha, aberta em dois lados, na qual o animal possa se proteger da chuva e descansar à sombra. Vol­tada para o lado sul deve haver


uma meia parede, até um palmo acima da cernelha do animal, para que ele possa olhar por cima e se proteger dos ventos.
O curral deve ser construído de madeira e ter um compartimento chamado de "tronco de conten­ção", onde a égua fique total­mente presa, para que nela possa ser feito algum curativo, tosa da pelagem, aparação dos cascos e outros tratamentos. O pasto do curral deve ser composto de gramíneas próprias à criação eqüina, tais como: grama-estrela, cort-cross e transval.
ALIMENTAÇÃO
A alimentação do Crioulo é toda à base de feno e alfafa, mas podem ser acrescentados fenos de aveia-preta e de leguminosas. Se os potros forem próprios para ex­posições ou leilões, faça um con­centrado de sua ração com um ba­lanceamento de torta de soja, fa­relo de tr.igo, .rolão. de milho, legumes e sais mmerais.
REPRODUÇÁO
A reprodução dos cavalos Crioulos, tanto reprodutores corno éguas, não deve ocorrer an­tes dos três anos de idade. Cada macho pode cobrir (cruzar) sem problemas, trinta fêmeas por ano. O período de prenhez (gravidez) é de 10 meses e nasce um filhote a cada parto.
O cio das fêmeas se dá todos os anos, pouco antes da primavera, sendo que, nestas épocas, um ve­terinário deve examinar o estado uterino de cada égua, para evitar imperfeições, pois as mesmas acarretariam a possível perda do potro ou da mãe.
O Crioulo faz suas coberturas em campo aberto. Solte-o junto com até 10 éguas no pasto. O ani­mal saberá o momento quando o óvulo da égua descer, libe­rando um cheiro característico. Desse modo, é necessário apenas urna cobertura.
Se o cruzamento for feito em cocheira, cada reprodutor deve fa­zer um mínimo de três coberturas em cada fêmea. Quando o repro­dutor é caro e único, sendo com­provadamente eficiente, deve-se ter alguns cuidados para não ferilo com um possível coice por re­jeição da égua. Imobilize-a amar­rando suas duas patas dianteiras e uma traseira. Use uma maneia (correia apropriada para prender cavalos). Desse modo, ela perrni­tirá a cobertura normalmente.
POTROS
O nascimento dos potros ocorre naturalmente, sem que sejam ne­cessárias intervenções do criador, mas a assistência de um veteri­nário é sempre recomendável. Desmame o potro a partir do 6</ mês de idade, época na qual o leite da fêmea perde os valores nu­tricionais e o potro já pode pastar. Para desmamá-lo, tire-o do campo de visão da mãe. Ao potro deve ser dada, nas primeiras semanas da desmama, uma ração suple­mentar em um cocho.
O potro somente pode ser exer­citado a partir do segundo ano de idade, caso contrário, cria-se uma grande massa muscular sem que exista uma formação óssea ade­quada. A doma deve ser iniciada aos três anos, para tal, existem dois tipos de doma: a rústica e a racional.
A doma rústica é a utilizada por peões gaúchos e consiste em amarrar o cavalo num palanque, montá-lo e deixar que pule o quanto quiser, até amansar. A doma racional é bastante diferente e tomada por três etapas. A primeira é a de aproximação
e tem por finalidade acostumar o animal ao criador e aos homens em geral, tornando-o acessível e dócil. A se­gunda é denominada "doma-de­baixo" e consiste em acostumar o animal à sela, sem que ele sinta cócegas ou a repudie. A terceira e última etapa é a "doma-de-cima", já montado; o animal é orientado a fazer execuções simples com o comando do criador; depois ele deve ser charreteado, ou seja, deve ser acostumado com o passo de uma charrete, respondendo a comandos básicos tais como: "calma", "para" e "siga"
CUIDADOS
O Cnoulo tem poucas doenças e nenhuma lhe é natural e especí­fica. Os cuidados relativos à sua saúde, resumem-se na prevenção da verminose. Para combatê-la aplique vermífugo a cada 90 dias. É importante que o vermífugo seja trocado a cada aplicação, numa proporção de três tipos.
O pêlo das orelhas não deve ser cortado, e de 15 em 15 dias apli­que pomadas ou pós específicas contra carrapatos.

A cauda deve ser cortada sem­pre à altura do joelho. Verifique também se o animal tem travagem (uma espécie de carne que cresce na gengiva, acima dos dentes). Se houver, um veterinário deve furá-­la e cauterizá-la. Uma vez por mês corte os cascos e, se algum animal estiver encocheirado, limpe a renilha.


O CAPIM-BUFFEL

Nascendo onde nenhuma outra forrageira sobreviveria, essa gramínea suporta solos pobres, secas e pisoteios, oferecendo vantagens como forrageira resisten­te ao pisoteio, o capim-
buftel ou capim búfalo adapta-se com facilidade a solos secos de re­giões com períodos de longa estia­gem, principalmente do Norte e Nordeste brasileiro. Supre a ali­mentação do gado - bovinos, ovi­nos, caprinos - em épocas de se­ca, fornecendo alto teor de proteí­na bruta.
Originária da África (Indonésia e lndia) essa gramínea foi introduzida no Brasil, mais precisamente em São Paulo, no começo da década de 50. Porém, só anos mais tarde,
começou a ser experimentada em regiões críticas, onde nenhuma outra forrageira se adaptava. A produtividade do capim-buffel (Cenchrus ciliaris L.) varia de acordo com a região, tipo de cul­tivo e cultivar escolhido; mas em média geral a produção oscila en­tre 6 a 12 t/ha/ano de matéria seca.
CULTIVARES
Para escolher o cultivar deve-se primeiro saber qual será o destino da pastagem. Para alimentação bovina recomenda-se a utilização dos cultivares Biloela e Molopo
Plante os cultivares Americano e Gayndah para as ovelhas e cabras,
e o Molopo e o 8i/oela para o gado
- por apresen­tarem um porte mais
alto, oferecem maior produ­tivi.dade a esses animais. No caso da criação de ovinos ou caprinos os mais aconselháveis são o Gayn­dah e Americano - devido ao pe­queno porte e os caules menos es­pessos facilitam o pastoreio de animais menores.
De maneira geral, o capim­buffel se desenvolve satisfatoria­mente em regiões com precipita­ções pluviométricas entre 350 e 1.200 mm anuais, sendo que os cultivares Biloela e o Molopo têm capacidade de tolerarem uma plu­viosidade mais baixa, sem haver comprometimento mais sério da produtividade.
Ao adquirir as sementes verifique a procedência e se contêm mistura de outras espécies indese­jáveis. Faça também um teste para verificar o poder germinativo de­las, procedendo da seguinte ma­neira: num caixote pequeno (com profundidade de uns 10 em) colo­que areia úmida e semeie 100 se­mentes. Se num período de dez dias pelo menos 20% das sementes germinarem significa que o lote está com um poder germinativo adequado. Quanto maior o poder germinativo, melhor será o apro­veitamento das sementes.
SOLO E CLIMA
O melhor desenvolvimento do capim-buffel se dá em solos leves. Mas em solos argilosos com boa drenagem ele também alcança uma produtividade satisfatória. São propícios ainda os terrenos pedregosos, onde há menor perda de umidade por evaporação. Solos encharcados ou pesados não são indicados.
As chuvas de verão são as mais benéficas para o cultivo, que tam­bém responderá favoravelmente às chuvas de inverno, desde que a temperatura não seja muito baixa. As regiões de clima muito frio e sujeitas a geadas não são reco­mendadas ao capim-buffel,
PLANTIO
A propagação do capim-buffel é feita por meio da semente que necessita de um período de dor­mência de pelo menos seis meses para apresentar um bom índice de germinação. O mais indicado é utilizar as sementes colhidas com 'um ano de antecedência ao plan­tio.
Para se evitar o aparecimento de plantas indesejáveis, prejudi­ciais ao crescimento do capim, o melhor é preparar o solo e fazer o plantio alguns dias depois das pri­meiras chuvas. Assim, as ervas in­vasoras crescendo primeiro pode­rão ser eliminadas antes da germi­nação do capim. Outra prática re­comendada é a semeadura em sul­cos e covas, facilitando a capina, tanto a manual como a mecani­zada.
Além de formar a pastagem se­meando o capirn-buffel em sulcos
(espaçados 1 mal ,20 m uns dos outros) ou em covas, pode-se fazê­la a lanço. É importante que após os primeiros cultivos o agricultor escolha o método que seja mais adequado para as condições de sua propriedade.
Em solos leves recomenda-se que seja feita uma cobertura de 1,5 a 3 em de terra para facilitar o estabelecimento da gramínea. Embora o capim-buffel tenha alta resistência à seca, aconselha-se se­meá-lo quando o solo apresentar boa umidade, garantindo maior germinação. É importante que o pastejo esteja com uma altura de 10 a 15 em no final do período se­co, para que possa depois se recu­perar.
O controle de ervas daninhas pode ser feito de várias formas: manual (uso de enxadas), mecâ­nica (com roçadeira), química (herbicidas específicos indicados por um agrônomo) e também bio­lógica (pastejo asssociado de bovi-
nos e caprinos - este último se ali­menta de plantas arbustivas e er­vas).
Elimine as plantas invasoras al­guns dias após as primeiras chu­vas. O combate às ervas daninhas deve estar terminado antes que elas floresçam e liberem as semen­tes que voltariam a invadir o cul­tivo.
Quanto à adubação, faça-a sob orientação de um técnico, evi­tando assim desperdícios e prejuí­zos. Sabe-se porém que a aplica­ção de adubos, principalmente à base de superfosfato simples, traz bons resultados ao cultivo.

Utilize o capim-buffel para o pastejo direto, ou para produzir feno, colhendo-o aos 35 dias do crescimento. Pode-se também co­lher as sementes para a formação de um novo cultivo. Colha as se­mentes quando o índice de ama­durecimento for de pelo menos 50% e evite que apresentem sinais de umidade.